Alterações Congenitas e Problemas Hereditários

problemas hereditáriosGlaucoma, Catarata, Hemangiomas, Mal Formações, Estrabismos…

Alterações oculares podem ocorrer durante a fase de formação dos olhos no embrião e no feto, durante a gestação e, ao nascer, podem ser visíveis e evidentes ou estarem escondidas dentro do olho aparentemente normal.

As causas dessas alterações podem ser genéticas, ou seja, carregadas em informações nos genes, algumas vezes já presentes em familiares, ou infecciosas, causadas por microorganismos que atravessam a barreira placentária.

Catarata Congenita

A catarata se forma pela opacificação do cristalino e pode ser herdada geneticamente (em famílias com avos, pais e/ou outros parentes afetados) ou resultado de uma mutação nova (primeiro a ser afetado) ou também pode decorrer de diversas infecções intra-uterinas, como toxoplasmose, rubéola, ou outras.

Ao nascimento a catarata pode ser percebida como uma alteração no teste do reflexo vermelho ou pode estar evidente como uma “pupila branca”.

A catarata densa bilateral deve ser rapidamente diagnosticada e, quando possível, operada nos primeiros meses de vida para melhor recuperação visual. Têm-se conseguido ótimos resultados visuais com as técnicas modernas de cirurgia e tratamento pós-operatório adequado nesses casos. Quando a catarata é parcial ou unilateral, vários fatores devem ser avaliados antes de se decidir pelo melhor tratamento possível em casa caso.

Muitas cataratas vêm acompanhadas de outras alterações oculares, como microftalmia, estrabismo, entre outras, que, em alguns casos, chegam a contra-indicar o tratamento.

Glaucoma Congênito

O glaucoma congênito é uma doença potencialmente grave e pode levar a cegueira precoce. Os recém-nascidos ou crianças pequenas que apresentem lacrimejamento excessivo, hipersensibilidade à luz ou espasmo ocular devem ser examinados assim que possível pela possibilidade de existência de glaucoma congênito. O olho sofre por aumento da pressão intra-ocular e pode aumentar sensivelmente de tamanho já nas primeiras semanas de vida, além de perder o brilho da córnea, tornando-se opaco ou esbranquiçado. O glaucoma congênito muitas vezes acompanha outras anomalias sistêmicas (em outros órgãos ou anexos do organismo da criança) e o exame ocular pode ajudar muito no diagnostico inicial das outras alterações, que podem demorar mais a serem percebidas. O tratamento deve ser iniciado o mais precocemente possível e requer acompanhamento continuado por toda a infância e durante toda a vida.

Ptose Congenita (Ou Pálpebra Caída)

Na ptose congênita, um ou ambos os olhos apresenta a pálpebra superior caída e o olho então não abre completamente. Pode ser leve (com sutil diferença entre o olho afetado e o normal) ou mais acentuada, podendo em alguns casos manter o olho completamente fechado. Além do comprometimento estético, a visão pode ser afetada nos casos mais graves – em que o eixo visual permanece coberto grande parte do tempo – pois não permite o desenvolvimento normal da visão.

Casos familiares são raros e normalmente bilaterais e muito evidentes.

Vale ressaltar que algumas crianças podem apresentar uma ptose ao nascimento secundaria a causas como trauma, inflamação ou outros edemas. Nesses casos a regressão costuma ser rápida sem conseqüências, o que não caracteriza ptose congenita.

Hemangiomas

São lesões avermelhadas na pele que podem envolver as pálpebras dos recém-nascidos. Tornam-se mais evidentes após algumas semanas de vida e tendem a aumentar de tamanho durante o primeiro ano de vida da criança, iniciando a seguir um processo de regressão espontânea que pode durar vários anos.

Os hemangiomas são tumores benignos dos vasos capilares e quando mais superficiais na pele apresentam-se planos e de tom vermelho-vivo. Quando mais profundos provocam lesões “moles” e podem ser claros ou violáceos. Os hemangiomas palpebrais merecem atenção e devem ser avaliados, pois algumas vezes podem comprometer o desenvolvimento visual ou não regredir adequadamente, necessitando de tratamento especifico. Além disso, outros tumores vascularizados na região ocular podem ter aspecto semelhante ao hemangioma, causando confusão.